Actoil

Blog Actoil

Voltar

Gasolina, diesel e imposto sobre crédito vão ficar mais caros

23 jan

Expectativa é de que a elevação aumente a arrecadação em R$ 20 bilhões neste ano

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, anunciou nesta segunda-feira (19) um pacote de tributação, aumentando quatro impostos que vão elevar a arrecadação do governo em R$ 20 bilhões no ano de 2015. Entre os tributos que vão pesar mais no bolso do consumidor estão os impostos dos combustíveis, o IOF (Imposto sobre Operação de Crédito) e os tributos de produtos importados.

De acordo com o ministro, a gasolina vai ficar R$ 0,22 mais cara e o diesel vai subir R$ 0,15 a partir do dia 1º de fevereiro nas refinarias do Petrobas. Esse aumento é decorrente do aumento da Cide (Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico) e do PIS/Cofins que incidem sobre o preço dos combustíveis.

No entanto, o ministro afirmou que a decisão de repassar o aumento dos impostos para a bomba, atingindo diretamente o consumidor, é da Petrobas. Segundo Levy, a intenção inicial era aumentar apenas a Cide, mas o governo resolveu repassar parte da elevação para o PIS/Cofins com o intuito de aumentar também a arrecadação dos Estados.

Somente com esse aumento desses impostos, o governo vai arrecadar R$ 12,2 bilhões a mais em 2015. O impacto da Cide deve ser sentido somente daqui a 90 dias. Já o do PIS/Cofins passar a valer no primeiro dia de fevereiro.

Para que a arrecadação aumente de forma imediata, o governo elevou mais o imposto pago aos Estados, para daqui a três meses reequilibrar os valores. Mas, para as refinarias, o impacto final na gasolina e no diesel continuará sendo o mesmo.

Operações de crédito

Levy anunciou também que a partir de fevereiro o IOF, que é a tarifa cobrada para os consumidores que realizam operações de crédito, vai subir de 1,5% para 3%. Segundo Levy, a taxa de 0,38% por operação está mantida.

Em 2012, a presidente Dilma Rousseff reduziu a alíquota do IOF, que não época era de 2,5%, para os atuais 1,5%, com o intuito de facilitar o crédito, estimular o consumo e aquecer a economia.

Agora, três anos depois, o governo precisou dobrar a taxa para aumentar a arrecadação em busca do equilíbrio fiscal. De acordo com o ministro, todas as medidas têm o objetivo ajustar as contas do governo.

— O mundo mudou, o Brasil está mudando, a gente está tomando todas as ações, passo a passo, de forma a alcançar com o menor sacrifício possível o caminho necessário para retomarmos o crescimento da economia.

Com a elevação da tarifa do IOF, o governo deve arrecadar R$ 7,3 bilhões em 2015.

 

Fonte: R7 Notícias

Comentários 0